Secretaria Municipal de Saúde promove uma roda de conversa sobre Atenção à Saúde das Pessoas Ostomizadas


Profissionais de saúde, pacientes e familiares participaram do evento

Na manhã desta quinta-feira (14), no Auditório Gralha Azul, aconteceu a primeira roda de conversa sobre o tema “Atenção à Saúde das Pessoas Ostomizadas” no qual participaram profissionais de saúde das Unidades Básicas de Saúde do município, pacientes ostomizados e alguns familiares desses pacientes.

O Secretário Municipal de Saúde, Julio Sandrini, realizou a abertura oficial do evento, agradecendo a participação de todos que atenderam ao convite da Secretaria Municipal de Saúde e destacou a importância daquele momento onde todos teriam a oportunidade de expor suas experiências ensinando e aprendendo sobre o assunto.

“Nossas equipes desenvolvem suas atividades profissionais de forma dedicada e efetiva no município, mas é importante agregar novos componentes para avaliação, tratamento e recuperação dos pacientes que realizaram uma cirurgia de ostomia. A experiência de hoje deixou evidente o quanto é necessária essa aproximação com os pacientes e seus familiares, um grupo será formado com esse público para que essas rodas de conversa se tornem mais frequentes para que o conhecimento e a assistência possam se expandir cada vez mais”, disse o secretário.

O principal objetivo desta roda de conversa foi trazer aos profissionais da Atenção Primária à Saúde, pacientes e familiares informações atualizadas sobre os diversos tipos de bolsas de colostomia, formas mais adequadas de uso, bolsas adaptadas à necessidade do paciente, entre outros conhecimentos da rotina de um ostomizado.

A condução dos trabalhos esteve a cargo da enfermeira Werydiane Matuszwski, especialista em Estomaterapia que veio de Curitiba especialmente para esse evento.

Segundo Werydiane, o enfermeiro estomaterapeuta é o profissional responsável por avaliar o estoma, dar orientações de autocuidado e do dispositivo de bolsa para melhor adaptação em cada caso, avaliar e tratar as complicações relacionadas aos estomas e as lesões que podem ocorrer pelo contato das fezes ou urina na pele por alergias ao adesivo das bolsas, entre outras questões.

“A iniciativa da Secretaria Municipal de Saúde foi extremamente importante, as pessoas ostomizadas têm plena capacidade de retorno a vida profissional e social, e não devem ser vistas como pessoas doentes, mas, sim, como indivíduos com necessidades especiais e como tal precisam ser notadas e cuidadas”, destacou a enfermeira.

Para as equipes de saúde que tratam da pessoa com estomia, a roda de conversa foi bastante esclarecedora no sentido de destacar o caráter multiprofissional, com comunicação coordenada e segura, com o objetivo de garantir uma adaptação adequada ao novo contexto de tratamento e acompanhamento do paciente, disponibilização de dispositivos adequados e apoio social e psicológico quando necessário.

Para Johanna Krubniki, assistente social responsável pelos programas especiais da Secretaria Municipal de Saúde, outro ponto fundamental do encontro foi a abertura de discussão com pacientes e familiares, oportunidade para educar a sociedade sobre o assunto e mitigar preconceito, geralmente gerado por desconhecimento.

“Para o paciente, o autoconhecimento e disposição para mudança é fundamental para ter consciência que a estomia é sua chance de vida, que existe qualidade de vida após a estomia” conclui Johanna.

“Fazer valer os direitos conquistados por lei, de garantir acesso aos dispositivos de estomia de qualidade para permitir atividades do cotidiano, fundamental para sua adaptação ao novo estilo de vida, é um grande desafio para a gestão municipal, mas estamos motivados e otimistas para ampliar e fortalecer o apoio necessário aos pacientes e suas famílias”, finalizou o secretário.


Categorias: Saúde,