Caso positivo para raiva bovina encontrado em Piraí do Sul


A raiva é uma doença grave e fatal, causada por vírus que ataca o sistema nervoso. Todos os animais mamíferos podem contrair a doença, inclusive os seres humanos.

Encontrado em Piraí do Sul, na Zona Rural da Campina do Butiá, um caso positivo para raiva bovina, está região fica próximo a Apa da Escarpa Devoniana e possui várias fendas onde os morcegos hematófagos se abrigam.

A veterinária da Secretaria de Agricultura de Piraí do Sul, Lorena Sguário Cobbe, conta que o caso foi confirmado na última quinta-feira ( 27 de junho) e que a secretaria esta tomando as medidas necessárias para ajudar no controle. “A raiva é uma doença grave e fatal, causada por um vírus que ataca o sistema nervoso.  Atinge todos os animais mamíferos inclusive os seres humanos.”, revela.

A veterinária explica que a raiva é transmitida através da mordedura, arranhadura ou lambedura de um animal contaminado com o vírus da raiva. “Nos animais de criação entre eles, bovídeos, equídeos, caprinos, ovinos e suínos, a principal forma de transmissão é pela mordedura dos morcegos hematófagos (desmodus rotundus) que se alimentam exclusivamente de sangue.”, salienta Lorena.

SINTOMAS – A veterinária orienta que o produtor deve tomar cuidado tanto com os animais quanto com o morcegos suspeitos de raiva. “Sempre que o produtor encontrar um ele deve, imediatamente, procurar a Secretaria de Agricultura ou da Saúde para notificar o caso. Outra orientação, é a de que o produtor comunique a presença de possíveis abrigos de morcegos hematófagos para que agentes da ADAPAR (Agência de Defesa Agropecuária do Paraná), tome as devidas providências para análise do local.”, recomenda.

Os principais sinais clínicos da doença são o isolamento do animal do rebanho; salivação e engasgos; andar cambaleante e queda; paralisia dos membros posteriores com movimentos de pedalagem dos membros anteriores e morte.

A veterinária Lorena explica que o controle da raiva é feito através da captura de morcegos hematófagos e do uso de pasta vampiricida. “Essa captura só pode ser feita por servidores da ADAPAR, treinados e vacinados contra a doença.”, explica. Outra recomendação aos produtores é que eles podem fazer o uso da pasta vampiricida. “Está pasta é encontrada nas casas agropecuárias e deve ser aplicada ao redor das mordeduras dos morcegos nos animais que foram atacados, essa manipulação deverá ser feita com cuidado e usando luvas e de preferência ao entardecer.”, revela.

PREVENÇÃO – Para a prevenção o ideal é vacinar os animais de criação a partir dos 3 meses de idade e fazer o reforço após 30 dias da primeira aplicação. Depois revacinar anualmente. “Lembro que a vacina é barata e eficaz.”, salienta. Segundo a veterinária a Adapar agora irá visitar e monitorar as diversas propriedades próxima a área onde foi encontrado o caso.

Em caso de dúvidas ou encontrar animais que apresente alguns dos sintomas citados, ele deve entrar em contato com a secretaria de Agrucultura de Piraí do Sul, no escritório de atendimento da Adapar no prédio do Antigo Gralha Azul ou pelo telefone 3237-1150.


Categorias: Agricultura,